segunda-feira, 30 de abril de 2018

Ditado estourado de sílabas

Os alunos do 2°ano do C.E.B. Erica Hasse, realizaram uma atividade que tinha como objetivo reconhecer e identificar a sequência silábica formando palavras. 
Em cada balão havia uma sílaba. Cada aluno estourou um balão e leu para os demais a sílaba encontrada. Os alunos anotaram todas as sílabas em uma folha e depois, somente com estas, formaram várias palavras diferentes.
Os alunos adoraram a dinâmica! O simples fato de estourar o balão fez com que a atividade de formar palavras, ficasse mais atrativa.


Professora: Deise Hedel

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Brincando com massinha


A manipulação da massinha construindo formas é excelente para o desenvolvimento da criatividade e do exercício da coordenação motora fina. Enquanto manipula a massinha, a criança faz uso de pequenos músculos das mãos ao apertar, enrolar, amassar ou puxar.
Uma simples brincadeira, mas de uma grande riqueza para o desenvolvimento e o aprendizado da criança: modelar com massinha e quando a criança ajuda na confecção da massa se torna ainda mais prazeroso e divertido.








TURMA AMIGOS DA GIRAFA
JARDIM (TURMA MISTA)
CEI PINGUINHO DE GENTE
PROFESSORA: JOSIANE VENANCIO
AUXILIARES: JANAÍNA DOS SANTOS
                         LETICIA MORAES

FAZENDO “ARTE!”



Nessa faixa etária as crianças adoram recortar, colar, escrever, desenhar, colorir desenhos...
Pensando em aprimorar essas habilidades a professora elaborou um caderno para ser utilizado como suporte nas atividades livres e planejado para que as crianças aprimorem a coordenação motora fina, a imaginação, a criatividade, recortando, colando, escrevendo, desenhando e colorindo.






CEI ARTHUR KOENKE
TURMA PRÉ I
PROFESSORA JUCÉLIA

Entendendo o Conselho de Classe


 Qual a finalidade do Conselho de Classe : 


Antes de debatermos como deve ser realizado um Conselho de Classe, precisamos esclarecer qual é a finalidade do mesmo. É preciso saber o porquê deste tipo de Reunião, para que ela é realizada, e qual é o papel das pessoas que lá estão. 

A palavra “ conselho” vem do latim consiliu e, conforme o Dicionário Michaelis da Língua Portuguesa tem os seguintes significados:

1 Juízo, opinião, parecer sobre o que convém fazer.

2 Aviso, ensino, lição, prudência.

3 Tribunal.

4 Reunião ou assembléia de ministros.

5 Corpo coletivo, com função consultiva ou deliberativa.

6 Reunião de pessoas que deliberam sobre negócios particulares. 

7 Reunião do corpo docente da universidade, escolas superiores ou secundárias, presidida pelo reitor ou diretor, para tratar das questões do ensino.


Assim, é correto afirmar que quem aconselha deve ser uma pessoa prudente, ter bom senso, discernimento, domínio próprio, autoridade e notório saber na questão consultada. Desta forma fica claro que ninguém consultará a vizinha sobre um investimento na Bolsa de Valores, ou a Merendeira se um aluno necessita de tratamento Psiquiátrico. É preciso ter competência e conhecimento da questão para emitir declarações. 

Daí a importância da Educação Continuada, pois, especialmente no nosso caso, enquanto Educadores, não podemos resvalar no senso comum, achismo é coisa de gente que não está preparada devidamente para argumentar. Devemos ter bases sólidas e seguras, não apenas na nossa área de atuação, mas dentro do possível estarmos atualizados sobre o que ocorre em áreas correlacionadas a nossa. Buscar o conhecimento tem de ser um estilo de vida, e não apenas a busca de um certificado. 

Fiz esse recorte para que você compreenda que um Conselho é composto de pessoas, e estas exercerão o papel de Conselheiros, que terão o objetivo de ponderar, aconselhar, orientar, propor, discernir as melhores intervenções e soluções para uma determinada questão. Mas quais questões esses “ Conselheiros” terão de ponderar e aconselhar ? 

Bem, o Conselho de Classe é uma reunião avaliativa em que diversos especialistas envolvidos no processo ensino-aprendizagem discutem acerca da aprendizagem dos alunos, o desempenho dos docentes, os resultados das estratégias de ensino empregadas, a adequação da organização curricular e outros aspectos referentes a esse processo, a fim de avaliá-lo coletivamente, mediante diversos pontos de vista. 

Reflita por um momento: um Conselheiro preparado poderá ser justo, sábio e ponderado no momento de deliberar. Já um Conselheiro despreparado, relapso com suas funções, incompetente na sua área de atuação e negligente com suas tarefas jamais poderá contribuir com soluções para o crescimento dos Alunos, da Equipe ou da Instituição. 

Que tipo de Conselheiro você desejaria ter ao seu lado no próximo Conselho de Classe ?

Sugestões para um Conselho de Classe eficaz:
O modelo eficiente deve contemplar  as seguintes questões a serem discutidas no Conselho de Classe:

1. Aprendizagem dos alunos

2. Desempenho dos docentes

3. Resultados das estratégias de ensino empregadas

4. Adequação da organização curricular

5. Outros aspectos referentes a esse processo

Abaixo algumas sugestões para você estruturar seu próximo Conselho de Classe:
. Pré-Conselho com a Turma:

– Rendimento Turma: logo após as provas realize com a Turma um Pré-Conselho, selecione os itens que deseja medir o avaliar com a turma tais como: rendimento da classe (media geral da sala), comportamento, participação, comprometimento, etc.

– Rendimento Professor: peça para a turma Avaliar o seu Desempenho no que refere-se a: Metodologia utilizada, Atividades, Ritmo da Aula, Práticas de Ensino, Organização dos Espaços da sala, etc.

– Metas/Combinados: discutam intervenções para implementar as mudanças que forem necessárias para a correção dos problemas levantados por ambos os lados

. Diagnóstico da Turma:

Você já elaborou o diagnóstico de cada aluno no início do ano. Então transcreva esses dados em uma única Ficha e leve para os Conselheiros apenas com os casos mais delicados para serem discutidos. Aborde o rendimento pedagógico, comportamento, resultados alcançados, outras questões que estão interferindo na vida do aluno. Lembre-se Você conhece o seu aluno, porém os demais Conselheiros talvez não estejam totalmente a par de determinados detalhes, e isso pode fazer toda a diferença na hora de ponderar a melhor intervenção. 

Conselho em 2 Atos:

Neste caso o Conselho seria realizado em 2 momentos distintos, onde no 1º. Momento contaria com a presença de Representantes de Classe, e no 2º. Momento apenas com os Professores.

Obs: Caso a Turma já tiver realizado o Pré Conselho com o Professor em Sala de Aula não haveria a necessidade de realizar o Conselho de Classe em 2 Atos.



1º. Ato: Participação Representantes de Turma (debate de questões relativas a Turma)

Neste momento ocorreria a participação de Representantes de Turma, pois os Representantes discorreriam sobre as mudanças e/ou problemas que gostariam que fossem solucionados no que refere-se a didática do Professor, metodologia, postura, etc. 

Os Professores, por sua vez, colocariam as questões que estariam enfrentando com aquela Turma . Todos debateriam algumas proposições, e já ficaria definido as intervenções a serem adotadas. Seria registrado em Ata para as Representantes assinarem e então este momento seria finalizado. 

2º. Ato: Conselho apenas com Professores

Neste momento o Conselho seria realizado apenas com os Professores, sem os Representantes de Turma, onde seriam discutidos os casos individuais dos alunos, bem como os demais assuntos.

CONCLUSÃO:

O Conselho de Classe é uma oportunidade de reunir os professores com o objetivo de refletir sobre a aprendizagem os alunos e o processo de ensino. 

Pedir que os alunos se avaliem, reflitam sobre suas falhas, sobre sua atuação é fácil, o difícil é os professores fazerem o mesmo. Para exercitar essa difícil prática é que o conselho deve começar com a autocrítica dos professores. 

O que o professor diz na autocrítica deve servir como elemento para a coordenação ajudá-lo a superar as dificuldades apresentadas, confrontar o problema com os que os outros professores também apresentam para, juntos, buscarem a superação. A coordenação dever ter claro que, também, a avaliação, não é para classificar o professor e sim ajudá-lo a desempenhar melhor o seu trabalho. 

Ao fazer o Conselho de Classe contemplando seus reais objetivos a Escola atinge os seguintes resultados:

• Promove uma visão abrangente do papel da avaliação no processo ensino-aprendizagem;

• Valoriza o progresso individual do aluno, seu comportamento cognitivo, afetivo e social ;

• Reconhece o contexto familiar em que o aluno está inserido;

• Incentiva a auto-análise e auto-avaliação dos profissionais de ensino;

• Propicia mudanças tanto na prática docente, no curriculo e na dinâmica escolar;

• Traça metas para que as mudanças sugeridas sejam efetivamente realizadas.

Há outros problemas sérios que contribuem para o fracasso escolar, tais como a negligência da família, a capacitação deficiente, a falta de estrutura, a indisciplina, etc, etc. 

Por outro lado não podemos cair na armadilha de que tudo é a estrutura, a lei, o sistema e ninguém assume nada. Pois há condições às vezes de mudanças significativas, com as reais condições de um instrumento que a escola já apresenta e que está em nossas mãos fazer uso: o Conselho de Classe. 



Bibliografia :

DEMO, Pedro. Avaliação Qualitativa. São Paulo: Cortez, 1988.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: As setas do caminho. 4.ed. Porto Alegre: Mediação, 2002.

PATTO, M. H. S. Psicologia e ideologia: uma introdução crítica à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1987.

_____. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A. Queiroz, 1990.


quinta-feira, 26 de abril de 2018

Entrevista com D. Pedro I

Os alunos do 8º ano, da C.E.B. Erica Hasse realizaram, em suas aulas de História, uma atividade que tinha como objetivo compreender o motivo pela qual D. Pedro I tomou certas decisões em seu reinado (1822-1831). 
Os alunos trabalharam em dupla, na qual deveriam elaborar perguntas para uma entrevista que seria feita com o próprio D. Pedro I, e baseado no que foi discutido em sala, com os colegas e a Professora Bianca, os alunos deveriam imaginar como seriam as respostas dadas por D. Pedro I.
E para dar um ar mais realista, eles confeccionaram também uma capa para um jornal impresso, que teria como manchete a entrevista com o Imperador brasileiro, D. Pedro I, e dentro deste jornal a entrevista.
Foi usada muita criatividade e conhecimento no desenvolvimento desta atividade.





Professora 

Bianca Schultz Kantovick

O vulcão

Na semana 16 a 20 de Abril, os alunos do quarto ano aprenderam um pouco sobre o planeta terra, como ele é por dentro e por fora. 
Puderam identificar algumas características do planeta Terra percebendo as mudanças que ocorrem na superfície e no interior do planeta e a importância dessas para reposição de matérias e substâncias na natureza. Também perceberam a existência de forças naturais no ambiente terrestre como vulcões. 
Para finalizar a sequência didática, os alunos junto com a professora e a diretora, simularam um vulcão, usando argila, vinagre, corante e bicarbonato. A aula foi um sucesso! Os alunos puderam compreender um pouquinho como o vulcão entra em erupção, participaram ativamente colocando a mão na massa, quer dizer na argila é claro... após finalizar os trabalhos eles pediram para levar argila para casa.
Esta experiência, ressalta a importância das crianças levarem adiante o conhecimento adquirido.











CEB Alberto Balduíno Barchefeld
Prof. Crisneide 

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Aprendo com as vogais


Conteúdos:
Apresentação das vogais e a relação entre a escrita de cada vogal.
Identificação de cada letra através de seu som.

Objetivos: 
Identificar as vogais iniciais das figuras;
Reconhecer o som de cada vogal;
Expressar - se oralmente com desenvoltura e clareza durante as atividades realizadas;





Centro de Educação Básica Alberto Baduíno Barchfeld.
Prof.ª Débora de S. Klaumann.
1º ano.

A Galinha do vizinho bota ovo...



Objetivos:
Reconhecer números no contexto diário;
Relacionar numerais às quantidades correspondentes;
Fazer contagem recitativa;
Desenvolver o raciocínio lógico.
Desenvolver habilidades de ouvir, falar, interpretar e expressar opiniões pessoais.
Desenvolver atitudes de interação, de colaboração e de troca de experiências em grupo.





  
CEB. Alberto Baduíno Barchfeld
Turma: 1º ano.
Prof.ª  Débora S Klaumann.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

O que será que temos nessa sacola?


        A Turma das Borboletas desenvolveu experiências com caixas de leite com a foto de cada criança para que se auto reconheçam, visualizando as imagens e assim se identificando através da foto. A experiência foi vivenciada na sala de referencia com crianças de 1 ano e 1 ano e 4 meses, trazendo na sacola as caixas e fazendo um suspense em uma roda, o que será que temos nessa sacola? E em seguida foram recebendo e visualizando a sua própria foto com o auxilio da professora.  Depois que cada um obteve a sua caixa exploraram em diversas formas, empilhando, colocando uma do lado da outra e observando a foto do coleguinha.
Demostrar a imagem positiva de si e confiança em sua capacidade para enfrentar dificuldades e desafios.






Professora: Zenaide Angela Deitos 

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Informativo sobre o relógio ponto no setor de Educação



Nesta semana até o dia 20/04/2018 , o Daniel, responsável pelo setor de informática, finaliza o cadastramento de todas as unidades de Educação.
Em suas idas as unidades não encontrou alguns profissionais por estarem em hora atividade ou em outra unidade no momento ou até por  outros  problemas no próprio sistema.
Para evitar  que este processo demore para  finalizar, solicitamos que todos os profissionais que não estão cadastrados  dirijam-se a prefeitura na sala do Daniel nos dias  23, 24 e 25 de abril, para que façam seu cadastro. No horário das 11h ás 14h.

Estaremos em fase de teste nos meses de abril e maio  e todos os problemas de falta de registro de ponto devem ser registrados pelo gestor e encaminhados para Secretaria em relatório próprio no dia 20 de cada mês.

Nenhum profissional que estiver no trabalho terá descontos de salário por conta de problemas com o ponto nestes meses. Procurem registrar o mais corretamente possível para adquirir o hábito.
A partir de junho o sistema entra em funcionamento sendo que   todos os profissionais devem registrar corretamente seus horários de entrada e saída da instituição conforme o decreto de horários que foi cadastrado e entregue no setor.
O limite de tolerância é de cinco minutos.
Sabemos que todas as mudanças geram alguns transtornos e demandam de um período para adaptação.

Qualquer dúvida estamos a disposição e desejamos que gradativamente tudo se regularize e esta implantação seja positiva por registrar o percurso de trabalho de cada profissional de forma eletrônica.


Atenciosamente
Cátia Regina Marangoni Geremias
Secretária de Educação e Esporte 

terça-feira, 17 de abril de 2018

JOGO PEGA-VARETAS


O jogo pega-varetas, é um jogo simples e antigo mais que rende boas horas de diversão e interação entre as crianças, seja com os amiguinhos ou até mesmo com a família.

Além da diversão o pega-varetas traz benefícios para o desenvolvimento da criança, pois se trata de um jogo que exige atenção e precisa ser jogado devagar para que a criança possa localizar qual a vareta pode ser retirada. Todo este exercício ajuda a trabalhar e a melhorar a concentração da criança.
Outro exercício que a criança pratica e que ajuda a aumentar o controle motor fino é a retirada de uma vareta, pode parecer simples, mas para uma criança retirar uma vareta sem mexer outra exige que a mão esteja muito firme.
Para entender melhor as habilidades motoras finas geralmente se referem a pequenos movimentos da mão, essa habilidade é importante para fortalecer os dedos e permitir que as crianças pratiquem pequenos movimentos necessários para escrever.
Entre os quatro e cinco anos a criança já é capaz de compreender e brincar com um pega-varetas, precisamos lembrar que nesta fase a criança aprende brincando sem exigir muito dela, pois cada uma tem seu desenvolvimento diferente. Enquanto uma criança pode conseguir pegar uma vareta aos quatro anos outra pode conseguir somente aos cinco e isto é absolutamente normal. Cabe aos professores e pais incentivar a brincadeira e a não desistir de tentar.
A utilização deste jogo em nossa sala de referência foi fantástica, a caça ao tesouro proporcionou o levantamento de várias hipóteses e a alegria ao encontrar o tesouro não tem preço. Ao abrir o tesouro percebi que a grande maioria das crianças já conhecia o jogo, então combinamos as regras, estipulamos valores para cada cor e iniciamos o jogo coletivamente, onde todos aguardavam ansiosos a sua vez e criavam suas próprias estratégias de jogo. Ao final da partida transformamos as cores em risquinhos que as crianças iam fazendo na tabela de pontuação, contamos e anotamos o número na lateral, para perceber quem ganhou em primeiro lugar, segundo e terceiro lugar, perceber se ouve empate. Neste momento algumas crianças se entristeceram por não ter feito nenhuma pontuação, mas entenderam que às vezes ganhamos e às vezes perdemos e que teremos outras oportunidades para jogar. Após encerrar o jogo propus que brincassem livremente utilizando as varetas da forma que quisessem, surgiram alguns desenhos no tapete, outros utilizaram para brincar de ler apontando os cartazes, brincaram com as varetas e os ovos da páscoa, varinha mágica, bateria musical e até em cavalinho as varetas se transformaram, neste momento podemos perceber como a imaginação das crianças ganha asas quando permitimos a livre criação, pois as varetas ganharam algumas utilidades que eu nem poderia imaginar.  Surgiram torres de diferentes maneiras, classificaram por cor na hora da contagem e na hora de guardar os jogos dividimos as cores por três caixas que foi a quantidade de jogos utilizados. O maravilhoso é perceber que brincando estão construindo conhecimentos. No dia seguinte, no momento que as crianças brincam livremente um grupo de crianças pediu o jogo de pega varetas, se organizaram na roda, iniciaram o jogo e uma líder pegou agenda que usamos para brincar anotou os valores das cores, pegou crachás com o nome dos amigos copiou organizando uma tabela e brincaram livremente sem a interferência de nenhum adulto, considero esta autonomia maravilhosa. Que possamos diariamente permitir que nossas crianças sejam protagonistas de suas vivências diárias.





Professora Simone Deves Venturi
Turma do Coração
CEI Arthur Kroenke



sexta-feira, 13 de abril de 2018

Sugestão de Leitura

Esta indicação vem da Professora Marleide e ela quer compartilhar conosco uma dica interessante de leitura:


Manual
file:///C:/Users/HP/Downloads/PEQUENO%20MANUAL%20DO%20PROFESSOR.pdf
Copie o link no seu navegador e boa leitura.

Resultado de imagem para dica de leitura

quinta-feira, 12 de abril de 2018

BRINCANDO DE “GENTE GRANDE”


       Brincar de usar roupas e acessórios de adultos foi um momento, que trouxe aos pequenos, muita diversão!
 As crianças de 02 anos iniciam a passagem do jogo por imitação para assumir o papel como se fosse outra. No jogo simbólico, o mundo do faz de conta ainda está centrado na ação, no fazer e nos movimentos. Pensando assim, a experiência desenvolvida contemplou os direitos de aprendizagem de brincar e conviver essenciais ao processo de desenvolvimento desta faixa etária.
Agradecemos as famílias que foram as doadoras das roupas mostrando-se parceiras. 





Turma da Magia
                                                                            
 Professora: Neide Schweder  

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Cronograma de formação Ensino Fundamental Anos Iniciais e Finais




Cronograma de formação Ensino Fundamental Anos Iniciais - PNAIC 2018
Tema
Data - CH
Local – Horário
Reunião administrativa e pedagógica - Rotina, Registro e avaliação
05/fev - 08h
Clube dos idosos  - 8h
Novos começos
06/fev - 04h
Auditório – 13h 30min
Planejar é preciso
07/fev - 04h
CEB Arthur bruno Jandt- 4h
A escola que encanta e transforma vidas
08/fev - 04h
AMAVI – MAT
Diagnóstico e recuperação paralela
19/março - 04h
CEB Arthur B. Jandt -17h e 30 min
Direitos de aprendizagem e normativa do planejamento
04/abril - 04h
CEB Arthur B. Jandt -17h e 30 min
Conferência Municipal de Educação de olho nos planos
11/abril - 04h
Clube dos idosos 18h30min
Construção das etapas do processo avaliativo no ensino fundamental/SENAC
23/abril - 04h
Auditório – 18h
Etapa 1, 2 e 3 do processo avaliativo: Planejamento, análise, menção e feedback/SENAC
09/maio – 04h
Auditório – 18h
Lateralidade e geometria
28/maio- 04h
CEB Arthur B. Jandt -17h e 30 min
Os 7 processos básicos para a aprendizagem matemática
06/junho – 04h
CEB Arthur B. Jandt -17h e 30 min
Etapa 4 e 5 do processo avaliativo: Plano de recuperação e estratégia de avaliação/SENAC
18/junho – 04h
Auditório – 18h
Estudo da BNCC
02/julho - 04h
Auditório – 18 h
BNCC e implantação da proposta pedagógica do munícipio e currículo
23, 24 e 25/julho – 24h
Senac Rio do Sul – 08h
Planejamento das Ações para segundo semestre /SENAC
26/julho- 4h
Auditório- 8h
Cuidando de quem cuida e educa
15/agos – 03h
Auditório – 18 h
Seminário Municipal
14/nov - 08h
Auditório – 8h

95 horas presencias

OBS – Serão acrescentadas no certificado as horas em serviço

 
Cronograma de formação Ensino Fundamental Anos Finais e Específicas - 2018
Tema
Data - CH
Local – Horário
Reunião administrativa e pedagógica - Rotina, Registro e avaliação
05/fev - 08h
Clube dos idosos   - 8h
Novos começos
06/fev - 04h
Auditório – 13h 30
Programa de enriquecimento instrumental
06/fev – 04h
CEB Erica Hasse – 4 h
Planejar é preciso
07/fev - 04h
CEB Arthur bruno Jandt- 4h
A escola que encanta e transforma vidas
08/fev - 04h
AMAVI – MAT
BNCC e implantação da proposta pedagógica do munícipio e currículo – Ciências
26, 27 e 28/março – 24h
Senac Rio do Sul – 08h
Conferência Municipal de Educação de olho nos planos
11/abril - 04h
Clube dos idosos 18h30min
Construção das etapas do processo avaliativo no ensino fundamental/SENAC
23/abril - 04h
Auditório – 18h
BNCC e implantação da proposta pedagógica do munícipio e currículo – Língua Inglesa
23, 24 e 25/abril - 24h
Senac Rio do Sul – 08h
Etapa 1, 2 e 3 do processo avaliativo: Planejamento, análise, menção e feedback/SENAC
09/maio – 04h
Auditório – 18h
BNCC e implantação da proposta pedagógica do munícipio e currículo – Educação Física
25, 26 e 27/junho – 24 h
Senac Rio do Sul – 08h
Etapa 4 e 5 do processo avaliativo: Plano de recuperação e estratégia de avaliação/SENAC
18/junho – 04h
Auditório – 18h
Estudo da BNCC
02/julho - 04h
Auditório – 18 h
BNCC e implantação da proposta pedagógica do munícipio e currículo – Ensino Religioso
23, 24 e 25/julho – 24h
Senac Rio do Sul – 08h
Planejamento das Ações para segundo semestre /SENAC
26/julho- 4h
Auditório- 8h
Cuidando de quem cuida e educa
15/ago – 03h
Auditório – 18 h
Seminário Municipal
14/nov - 08h
Auditório – 8h

55h para todos e horas diferenciadas para específicas
Obs- será feita a contagem para cada profissional



Olimbairros: Vila Nova 1 está liderando a disputa, com 54 pontos

Nesta quarta-feira e na quinta ocorrem mais três finais Depois de duas semanas de jogos, confira as modalidades que já tiveram as disputa...